<

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

O machacaz

Desde que me conheço que ajudo mulheres a parir, gritava a ti’Maria Rita lá do quarto dos fundos, mas esta está a dar-me água pela barba.
Tragam-me mais uma panela de água quente e umas toalhas para ver se a criança dá a volta completa e se se põe a jeito de vir cá para fora.
Enquanto berrava para as ajudantes que, atarantadas e tolhidas de medo, viam a velhota dar palmadas nas “nalgas” da Dionísia que se debatia com o nascimento do seu primeiro filho, a comadre ia aconchegando o ventre da parturiente, atenta a todos os movimentos da criança que parecia estar a orientar-se para a chegada a este mundo.
Abram o raio dessa janela que nos falta o ar aqui dentro.
E tu mulher, enche-te de coragem e morde, com quanta força puderes, essa toalha que tens na boca.
Vai custar mais um bocado, mas nunca nenhum me ficou lá dentro e vais ver a prenda que já começou a mostrar-me a cabeça.
São mais uns dez minutos; vais ver que mais ou menos ao meio-dia vai berrar aí que nem um desalmado; já que pela configuração e tamanho do que já posso ver me arrisco a dizer que é macho.
E assim foi: ainda o relógio não acabara de bater as doze badaladas e já um rapagão berrava com todas as forças, nas mãos da velhota que começava a limpá-lo e se preparava para tratar-lhe do cordão e colocá-lo, na cama, ao lado da mãe.
Parabéns rapariga, tens aqui um belo rapaz.Mas olha que o machacaz deu-nos bem que fazer: a ti e a mim, que desde que me recordo foi dos mais difíceis. Estava lá bem, o finório. Não lhe faltava nada e sair de lá não parecia agradar-lhe, mas já acabou.
Chico cresceu, avantajado de corpo, meio desajeitado e, aos sete anos, quando entrou na escola, as carteiras da frente, destinadas aos da primeira classe, eram-lhe pequenas.
A Professora mandou sentá-lo na terceira fila e, mesmo assim, ainda era escasso o espaço para as pernas do rapaz.
Com os ombros largos, os braços passando-lhe um pouco abaixo dos joelhos, umas mãos grandes e a cabeça, meio disforme, mas grande e bem coberta de cabelos pretos, o Chico conseguiu fazer o exame da terceira classe, a custo.
Depois começou a guardar as cabras e ovelhas e a ajudar os pais nas lides do campo.
As tentativas de aprender as artes de carpinteiro e pedreiro, não resultaram.
Homem de poucas falas e olhar esquivo, tinha aversão às botas e raramente apertava todos os botões de calças e camisas.
Apurado de instintos, cuidava do que era seu e com a fisga nas mãos, armando costelas e boízes, no tempo delas, ou mesmo à unha, nunca se lhe acabava, em casa, caça, peixes e outros petiscos.
Saía sozinho, a todas as horas do dia e da noite, nunca mostrara medo, fosse do que fosse, e era encontrado onde menos se esperava.
Tinha um tratamento muito familiar com toda a bicharada e se pressentia alguém, no seu caminho, desviava-se para evitar encontros e conversas de que era pouco amigo.
Alguém reparou na expressão da comadre Maria Rita, ao dizer para a Dionísia que o “machacaz” lhes deu bem que fazer e, como nada cai em saco roto, foi-se generalizando a alcunha e quando o rapaz foi às sortes era, para todos, o “Machacaz”.
Ficou livre do serviço.
Um corpanzil daqueles, podia e devia alombar a servir a pátria. Mas, assim não acharam os entendidos e o Chico nada se incomodou, como se não incomodaria se o mandassem ir para algum lado.
Até aí catrapiscava a garota do ti’Cambado, do mesmo ano que ele, magricela, de poucas cores e olhitos azulados, herdados da mãe, que não resistiu ao parto e deixou órfã e viúvo lá na casa da ladeira, onde sempre viveram, só os dois.A dispensa da tropa veio apressar as coisas e notaram, os mais observadores, que o Machacaz, à medida que se aproximava o casamento, ia mais pela taberna, chegava-se mais às conversas e tomava muita atenção a tudo o que dissesse respeito a relações entre homens e mulheres.
Começou a frequentar mais a missa dos domingos, tratou de tudo e ajudou na construção da casa nova, ao lado dos cómodos da ladeira.
A boda foi discreta e muito farta e, apesar do espírito reservado do Machacaz, todos ficaram admirados com a maneira como tratou todos os convidados e a forma como parecia outro homem.
Vieram três filhos, nos três primeiros anos e, depois, voltou a ser o mesmo Machacaz de sempre; sorumbático, esquivo e isolado.
Algum tempo depois começou a frequentar assiduamente a taberna, a beber até cair e a falar consigo próprio.
Os mais chegados metiam-se com ele. Porém, além de reagir mal, começou a mostrar sinais de agressividade e falta de tolerância, nas brincadeiras.
Um dia, ao ouvir as prosas do Longueiras, saiu abruptamente da taberna, dirigindo-se a casa, com passada aberta e rápida e, entrando no quarto, sorrateiramente, viu, nos fundos da cama, por baixo da coberta, os vultos de quatro pés.
Saiu, caminhou rapidamente até à taberna, onde bebeu, de enfiada, dois ou três copos de vinho.
De repente e inopinadamente, enfrentou os presentes e exclamou:Estão lá quatro pés, sim senhor, mas dois são do Machacaz!...


José Marques Valente



in "Histórias de gente simples"

Quem não conheceu o Caloiro Ze Vilela


Ze Vilela foi um dos grandes caloiros de Direito dos anos 64.

Ha mais de 40 anos que ja não o via.

Era conhecido como o caloiro de luxo, tal a sua capacidade de encaixe e nivel de desenrascanso.
Nesse ano foi solicitado para tourear 3 doutores que davam a sua primeira aula.
Portou-se sempre à altura.

Mas anda por aí com tanta macaquice?

Ca temos a Cimeira

Etiquetas:

'A vida pode ser interpretada e vivida de diversas maneiras.

'Um homem rico estava muito mal, agonizando. Pediu papel e caneta. Escreveu assim:

'Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres. '

Morreu antes de fazer a pontuação. A quem deixava a fortuna? Eram quatro concorrentes.

1) O sobrinho fez a seguinte pontuação:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito:

Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

3) O padeiro pediu cópia do original. Puxou a brasa pra sardinha dele:
Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.
4) Aí, chegaram os descamisados da cidade. Um deles, sabido, fez esta interpretação:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.

Moral da história:

'A vida pode ser interpretada e vivida de diversas maneiras. Nós é que fazemos sua pontuação.


E isso faz toda a diferença...

MdS

Etiquetas: ,

Oração às Trovoadas



A proposito dos Cobertores de Papa o Ri-Ri relembra uma outra utilidade e tambem a Oração das Trovoadas.
Não sei se por influência da ciência ou da religião, o que é verdade é que a minha mãe também utilizava o cobertor de papa para abrir e manter quente o arroz de polvo.
A propósito aí vai o que a mamã se lembra sôbre o assunto:

ORAÇÃO ÀS TROVOADAS

Sta. Bárbara passeava
Com seu livrinho d'ouro na mão.
Jesus lhe perguntou:
Bárbara, onde vais?
Senhor, vou juntar as trovoadas
Que andam pelo mundo espalhadas.
Vai, junta-as num monte maninho
Onde não haja nem pão nem vinho
Nem eira nem beira,
Nem raminho de oliveira
Nem cão nem gato
Nem mulher de parto
Nem homem de acidente.

Aceitam-se rectificações pois a memória já não será a melhor.
Ri-Ri

Etiquetas:

Efemerides - 30 de Novembro



DESCRIÇÃO Batalha de Seattle em 1999; primeiro jogo internacional de futebol; Charles Chaplin estreia-se no cinema; Mark Twain; Winston Churchill; Fernando Assis Pacheco; Michael Jackson e "Thriller".

Etiquetas:

domingo, 29 de novembro de 2009

MIMI MONTEIRO COSTA - Faz Hoje 63 Anos


MIMI MONTEIRO COSTA
( da Rua D e mulher do Jorge Luis )

29 de NOVEMBRO
1946






63 Anos
O Blog do Cavalinho Selvagem,
deseja-lhe muitos parabéns, muitas felicidades e muitos anos de vida.

Etiquetas: ,

Coimbra Hoje

Em 29-11-09, quando eram 17 horas e 35 minutos
Um Abraço.
Tonito.

Etiquetas:

No Fim Tudo dá Certo....

Etiquetas:

O Tejo e os seus Gatos...

Vem aí a moda das meias brancas....

Este post volta á baila pelo que se adivinha com os meninos das meias brancas.
Este post tambem veio á baila fez agora 1 ano...por vermos a foto do Rui Pato com o Luis Garção numa gravação para a Radio Moscovo e de meias brancas.
Digam la que os meninos não estavam mesmo bonitinhos e aprumados.
Foi assim , então.

Há uns anos largos estava eu de fato e casaco, todo catita, e alguém me diz “tens as meias brancas, essa m*rda já não se usa. Parece que pertences ao clube da meia branca”. Senti-me envergonhado e a partir de então deixei de usar meias brancas. Uso meias cinzentas na pior das hipóteses, quanto mais escuras melhor, mas nunca mais usei meias brancas.
Muito sinceramente nunca percebi porque é que em Portugal, e em determinado extracto social, é proibido usar meias brancas. Penso tratar-se de um estigma mas que não deixei de gozar sempre que tive oportunidade, “Olha, aquele gajo tem meias brancas, pertence ao clube da meia branca. O gajo é perna de gesso”, dizia eu enquanto troçava apontando o indicador para vítima.
Parvo fui eu que deixei de usar meias brancas apesar de possuir um elevado stock das mesmas. Normalmente as minhas meias eram brancas ou pretas, excepção feita para aquelas meias com losângulos formados com cores esquisitas que as tias distantes nos oferecem no Natal.
Nunca percebi porque é que é feio usar meias brancas em Portugal. Por isso e porque somos um blog em ascenção, há que promover a reabilitação da meia branca. Porra, nós, homens, temos centenas de meias brancas dentro das gavetas há espera de chegar o momento de voltarem a ser moda.
Esta porcaria de dizerem que a meia branca é parolo deve ser um boato lançado por um fabricante de meias pretas.
A partir de agora a meia branca será o meu adereço favorito. Isto não sou eu a dizer com convicção, mas o nosso amigo Madeira da Redinha que tem agora uma fábrica de meias brancas, e eis aqui agora a campanha de lançamento.
Esta é mesmo do Manel da Gaitaeio...por vermos a foto do Rui Pato com o Luis Garção numa gravação para a Radio Moscovo e de meias brancas.
digam la que os meninos não estavam mesmo bonitinhos e aprumados.
Foi assim , então.

Há uns anos largos estava eu de fato e casaco, todo catita, e alguém me diz “tens as meias brancas, essa m*rda já não se usa. Parece que pertences ao clube da meia branca”. Senti-me envergonhado e a partir de então deixei de usar meias brancas. Uso meias cinzentas na pior das hipóteses, quanto mais escuras melhor, mas nunca mais usei meias brancas.
Muito sinceramente nunca percebi porque é que em Portugal, e em determinado extracto social, é proibido usar meias brancas. Penso tratar-se de um estigma mas que não deixei de gozar sempre que tive oportunidade, “Olha, aquele gajo tem meias brancas, pertence ao clube da meia branca. O gajo é perna de gesso”, dizia eu enquanto troçava apontando o indicador para vítima.
Parvo fui eu que deixei de usar meias brancas apesar de possuir um elevado stock das mesmas. Normalmente as minhas meias eram brancas ou pretas, excepção feita para aquelas meias com losângulos formados com cores esquisitas que as tias distantes nos oferecem no Natal.
Nunca percebi porque é que é feio usar meias brancas em Portugal. Por isso e porque somos um blog em ascenção, há que promover a reabilitação da meia branca. Porra, nós, homens, temos centenas de meias brancas dentro das gavetas há espera de chegar o momento de voltarem a ser moda.
Esta porcaria de dizerem que a meia branca é parolo deve ser um boato lançado por um fabricante de meias pretas.
A partir de agora a meia branca será o meu adereço favorito. Isto não sou eu a dizer com convicção, mas o nosso amigo Madeira da Redinha que tem agora uma fábrica de meias brancas, e eis aqui agora a campanha de lançamento.
Esta é mesmo do Manel da Gaita

Etiquetas:

Eu era pequenito....Ainda a proposito da violencia domestica

Era pequenito, estava com o triciclo aonde hoje está o cimento a seguir ao passeio em frente da casa que veio a ser do Sr. Nunes, ao lado de um polícia que até conversava connosco, quando passou um casal que habitava nas casa velhas ao cimo do monte, pois nessa altura ainda não era Cavalo Selvagem, e o marido ia a bater na mulher. Criança, perguntei ao polícia porque não prendia o homem? – Disse-me que não podia pois era um problema de casal e os seus superiores não o deixavam meter-se entre marido e mulher. Ainda hoje me lembro.

Problemas destes existe infelizmente em quase todos os países do mundo. Não falando das mulheres que também sofrem o martírio de viverem com maridos manipuladores, que lhes gastam a saúde dia a dia e dos quais não há provas. Nem falemos na India aonde as mulheres são queimadas pelos maridos com ácido de bateria por não terem mais dote para continuar a dar, ou que são postas fora de casa a quando da morte do marido pois não foram capazes de defender a alma dele. São aos milhares, as mulheres que vão acabar a vida em mosteiros abandonados, a comerem de vez em quando. E o caso das mulheres linchadas em certos países africanos que nem uma palavra de amor conheceram na vida. Ouvi uma mulher virar-se para a entrevistadora a dizer que era feliz e quando se sentiu mas em confiança disse-lhe que nunca teve felicidade, nem dez minutos na vida . O que acontece com as nossas crianças que nem se queixar sabem, pois na prática ainda tentam esconder os seus carrascos derivado à forma como foram educados. Nem conhecem outras pessoas e têm medo do que lhes possa acontecer depois! E os casos de velhinhos nos diferentes lar expoliados pelas próprias famílias?

Tive o previlégio de ver teatro com profissionais sobre homens manipuladores. É terrível, pois uma pessoa está a ver que é aquilo mesmo e o resultado que vai dar.

Também dois polícias que contactavam os lares de terceira idade, ao fim de um tempo de serviço, começaram a ter a consciência de que havia sérios problemas. Como em jovens tinham feito teatro amador, pediram autorização para nos lares fazerem peças de velhos expoliados pela família. Aproveitaram e levavam colegas com eles para irem tomando nota dos internos que apresentassem queixa e garantirem-lhe segurança próxima. Ao fim de dois anos tiveram de ser substituídos por actores profissionais, uma vez que eles já estavam a viver o que transmitiam. Só que ainda há pouco tempo se apresentavam uns dois a três residentes por semana no fim de cada espectáculo, pois essa praga não acaba. Quase sempre são os filhos e os conjugues dos filhos, se forem casados.

Nos três casos a pobreza, a droga, o vinho e a ausência de humanidade, andam por vezes também associados.
Se no caso das crianças é diferente, no caso dos adultos a polícia pouco pode fazer pois são maiores e a maior parte das vezes, de tão dominados estarem, nem seguem com a apresentação da queixa. É a insegurança total.

É certo que ficaria caríssimo mas se apresentassem peças dessa natureza durante uns meses na televisão generalista, o mundo andaria melhor pois pude apreciar que as pessoas quando confrontadas com o que fazem, mudam imenso, uma vez que antes nem se apercebem nem pensam nas consequências.
É certo que o contrário também existe e quase sempre de forma extrema, só que a percentagem de mulheres que actuam de forma criminosa, é mínima.
Neste momento estão a obrigar os criminosos a usarem pulseiras eléctrónicas e pensam na possibilida de convidarem a agredida a fazer o mesmo pois com GPS, podem saber se o criminoso se está a aproximar perigosamente da sua presa e a polícia pode assim actuar antes de actos praticados. Parece que já é utilizado em alguns países.
Uma coisa é certa: nem tudo está perdido. Há quarenta anos, em cada quarenta mulheres batidas, uma apresentava queixa. Hoje, em cada quarenta mulheres batidas, dezassete apresentam queixa. Haja esperança.

Que a Carla esteja em Paz.

Dum comentario do
Chico Torreira

Etiquetas: ,

Efemerides - 29 de Novembro



DESCRIÇÃO Embarque da família real portuguesa para o Brasil; partição da Palestina em 1947; Tito sobe ao poder na Jugoslávia; Hertz descobre as ondas electromagnéticas; Egas Moniz; Joel Coen: Jackie Wilson e "Talk that talk".

Etiquetas:

sábado, 28 de novembro de 2009

Coincidencias ou não....

Coincidência ou não estes últimos meses assiste-se a um dramático e preocupante recorde de assassinatos por estas zonas e de suicídios entre jovens!!
Era urgente todos nós reflectirmos com coragem e honestidade sobre tal fenómeno e de se fazer uma análise por parte de psiquiatras, psicólogos, professores, famílias, assistentes sociais sobre as variadas causas! Estará a associado ao isolamento da família? De afectos de amigos? Ao excesso de álcool ou droga? À recusa dessas pessoas em se tratarem ou interromperem abruptamente o tratamento das depressões?
Ou dever-se-á a alguma falta de sensibilidade dos familiares ou mesmo desconhecimento do estado em que andam os seus filhos? Ou será que a sua desmotivação pela falta de perspectivas de um futuro lhes baixa a sua auto-estima perdendo o amor por si próprios?
Se a "moda" pega torna-se alarmante...A estatística é na verdade muito elevada e dói muito as nossas “promessas” de Futuro serem assim “queimadas” tanto por aqueles que desaparecem como pelos que cometem esses actos! Dói muito! E nem me atreverei a adivinhar a desolação revolta e desespero das respectivas Famílias! Ninguém pode fazer julgamentos, Apenas sabemos que o sofrimento é do tamanho do Mundo e que as depressões são das doenças mais mal compreendidas e mais difíceis de tratar ….
Não basta dar as notícias tem mesmo que se fazer algo e pelo que eu ouço sobre depressões, nota-se muita falta de conhecimentos e de informação!
Os remédios as pessoas ora tomam ora não e algumas até misturam com álcool! Mesmo as Farmácias deveriam estar em alerta permanente e informarem sobre as consequências de determinados medicamentos. Os médicos sempre em contacto com os familiares, etc… É toda uma Sociedade que tem de se interessar de se envolver. Hoje foram eles amanhã não desejaremos que nos bata à porta tamanho pesadelo!
Isabel Carvalho


A minha Rua....

Um link sempre util para do Portal do Cidadão


http://www.portaldocidadao.pt/PORTAL/aminharua/situationReport.aspx

Etiquetas:

Efemerides - 28 Novembro




DESCRIÇÃO Estreia do "Concerto nº 5 para Piano" de Beethoven; Fernão de Magalhães chega ao Oceano Pacífico; declaração de independência de Timor-Leste; a Polaroid; William Blake; Claude Lévi-Strauss; Jon Stewart; Matsuô Bashô; The Monkeys e "I'm a believer".

Etiquetas:

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

JOANA VIDEIRA e MELO - Faz Hoje 34 Anos

JOANA M. VIDEIRA E MELO

27 de NOVEMBRO
1975

Filhota do RiRi






34 Anos
O Blog do Cavalinho Selvagem,
deseja-lhe muitos parabéns,
muitas felicidades
e muitos anos de vida.


Etiquetas: ,

ONDE FOI PLANTADO?

É em COIMBRA.
Um Abraço.
Tonito.

Vem aí o Inverno - Cobertores de Papa


Quem não se lembra dos quentes cobertores de papa, que nas casas dos nossos avós aqueciam as camas nas longas noites de Inverno?

Pois estes provêem de uma pequena freguesia do Concelho da Guarda – Maçaínhas - e hoje, como ontem, continuam a ser fabricados de forma artesanal.

A produção do cobertor de papa, remonta ao reinado de D. Sancho II. No reinado de D. José (1758), com o Marquês de Pombal, esta indústria desenvolveu-se na zona da Covilhã e da Guarda:

Etiquetas:

TEMPOS DE MUDANÇA

Restaurantes GAMBRINUS e ELEVEN vão passar a servir "moamba"


Um terço dos clientes das lojas de luxo em Portugal são já angolanos ligados à área da construção civil ou próximos do Governo de Luanda.
Atentos a este fenómeno, vários restaurantes de luxo de Lisboa colocaram pratos angolanos na ementa, como no caso do ELEVEN, cuja recriação da moamba("galinha em cama de quiabos e emulsão de mandioca em óleo de palma aromatizado")tem merecido efusivos elogios a criticos gastronómicos do "Sol".
Mas mesmo no Interior a importância dos angolanos já se faz notar, como no tradicional " O FIALHO", que começou a servir pezinhos de palanca de coentrada.

I.P.

UMA HOMENAGEM - CARLA MARTINS

CARLA MARTINS, tinha 28 anos e era de Chão da Vã, pequena povoação a cerca de 3 quilómetros de Salgueiro do Campo. Bonita e inteligência, tinha pela frente um futuro risonho. Prepara-se para fazer o seu doutoramento em Biologia, em Bruxelas.
Os seus caminhos da vida cruzaram-se, um dia, com um indivíduo da zona de Coimbra, estudante universitário. De ele se enamorou, até ao dia em que percebeu, sabe-se lá porque razões, que tinha terminado o seu encantamento. Despreocupada seguiu a sua vida. Mas ele não perdoou. Dizia aos amigos: se não for minha, não será de mais ninguém. E realmente não foi.
Premeditadamente, partiu de Coimbra e seguiu-a até ao Bairro de Valongo, em Castelo Branco, onde ela veio passar o fim de semana, e assassinou-a friamente com cerca de vinte facadas à porta de casa. Terminava assim a vida promissora de Carla Martins.
O Chão da Vã está de luto. São todos parentes uns dos outros, e ainda estão atónitos com tamanha barbaridade perpetrada contra a jovem.
O pai esteve há dias nesta Farmácia. De semblante sofrido e luto carregado, pela morte da filha única que tinha. Segurou o assassino até vir a polícia sem ter feito justiça pelas próprias mãos.
A família está destruída de dor. O algoz está em prisão preventiva
muito arrependido”. Levará certamente uns anos de prisão que não devolvem a Carla à vida. Mas poderão até as coisas correrem bem para o seu lado, se uma qualquer peritagem médica e os labirintos da lei conseguirem provar que o homem tinha problemas psíquicos.
Afinal , como a que matou o namorado com ácido sulfúrico, atraindo-o para uma armadilha.
A Carla, filha desta pequena povoação da Beira Baixa partiu. Que esteja em paz.
QUITO

Etiquetas:

MULHERES MORTAS EM NOME DA COBARDIA

Só este ano

-MARIA GRAÇA FONSECA
82 anos
Na Quinta da Atalaia, Covilhã, um homem de 77 anos matou a sua companheira à facada.

-CONCEIÇÃO CARDOSO
47 anos
Baleada mortalmente pelo marido em Alvélos, Barcelos, no seguimento de discussões de ordem profissional.

-TÂNIA MOREIRA
30 anos
Morta a tiro pelo companheiro, um guarda prisional, de 44 anos, com a sua arma de serviço, em São Julião do Total, Loures. Foi também vítima o ex-marido da mulher baleada. Tudo terá acontecido quando o homicida chegou a casa e viu a companheira com o ex-marido.

-MARIA MANUELA REIS ANTUNE
49 anos
Esfaqueada até à morte pelo ex-marido, de 53 anos, dentro do seu carro, quando se preparava para ir trabalhar. O crime teve lugar em Casais de Arega, Figueiró dos Vinhos.

-SANDRA NEVESS
36 anos
Esfaqueada mortalmente em Pouco do Mouro, Setúbal, pelo companheiro de 43 anos. Ciúmes doentios poderão ter estado na origem do crime.

-SARA TAVARES
26 anos
Morta em Portimão pelo marido, de 24 anos, com uma faca. O crime terá sido provocado por um desentendimento entre marido e mulher, quando esta não quis passar o dia a casa da sogra.

-LAURA JORGE ANDRADE
42 anos
Morta a tiro pelo marido em Frazão, Paços de Ferreira. Desavenças conjugais que já vinham a agravar-se devem ter estado na origem do crime.

-MARÍLIA MADEIRA
36 anos
Baleada mortalmente pelo companheiro de 36 anos em A do Neves, Almodôvar. Uma espingarda terá sido a arma usada neste crime de natureza passional.Deolinda Rodrigues

-36 anos
Morta com uma caçadeira de canos serrados pelo companheiro de 47 anos em Silves, Faro. Estavam separados há duas semanas.

-VÍTIMA DESCONHECIDA
41 anos
Uma mulher de 41 anos foi mortalmente estrangulada em Raposeira, Chaves, pelo marido, de origem senegalesa. Por detrás deste crime terão estado razões passionais.

-MARIA ALICE S.
61 anos
Vivia em Moitelas, Sobral do Monte Agraço e foi vítima de um tiro de caçadeira disparado pelo marido de 63 anos que se enforcou após o crime.

-CLÁUDIA BARREIRA
37 anos
Tinha-se separado há cinco meses quando foi alvo de três tiros disparados pelo marido, do qual se tinha separado há cinco meses. O crime ocorreu em Vila Pouca de Aguiar.

-LILIANA
36 anos
Não conseguiu evitar que o seu ex-companheiro a encontrasse e a assassinasse na casa dos pais, em Donelo, Sabrosa. A vítima foi morta a tiro e deixou órfãs quatro crianças.

-OTÍLIA FARINHA
45 anos
Já tinha apresentado várias queixas contra o marido, quando o mesmo a assassinou com uma arma de fogo e se suicidou. O processo de divórcio terá estado na origem deste crime em Arco da Calheta, na ilha da Madeira.

-SANDRA PEREIRA
23 anos
Foi assassinada no posto de trabalho com um machado pelo ex-companheiro, de 26 anos, em Chão Duro, na Moita. O que terá causado o crime foi a discordância pela custódia dos filhos.

-VÍTIMA DESCONHECIDA
21 anos
Morreu ao ser atingida por vários golpes com uma arma branca, pelo namorado de 22 anos, na ilha de São Miguel, nos Açores.

-VÍTIMA DESCONHECIDA
21 anos
Jovem foi degolada pelo ex-namorado em Ponta Delgada. O assassino "ajudou a procurar a vítima" após efectuar o crime.

-LINDA COSSA
37 anos
Já tinha apresentado várias queixas contra o seu ex-companheiro, mas não foram suficientes para evitar que o homem, de 50 anos, a assassinasse com um machado na Rua da Cidade de Almada, no Seixal.

-HELENA PRETO
42 anos
Vivia em Lardosa, no concelho de Castelo Branco, quando o marido, guarda nacional republicano, a assassinou com uma pistola e suicidou-se.

-SANDRA RUELA
39 anos
Foi morta com um tiro na cabeça pelo companheiro, de 42 anos, agente da PSP. A relação conflituosa entre o casal era conhecida dos vizinhos, em Belas, Sintra.

-MARGARIDA SÁ MARQUES
36 anos
Esfaqueada pelo companheiro de 50 anos. A esquadra de Mirandela conhecia os relatos de violência doméstica entre o casal.

-SANDRA PONTES
23 anos
Violada e esfaqueada até à morte juntamente com a amiga Marinela Virgínio, em Rio de Mouro, Sintra. O autor do crime foi o ex-companheiro de Sandra Pontes.

-CARLA MARTINS
28 anos
Assassinada à facada pelo ex-namorado, em Juncal do Campo, no concelho de Castelo Branco. O ex-namorado já a tinha ameaçado e agredido.

-JOANA FULGÊNCIO
20 anos
Encontrada morta no carro do namorado de 22 anos, com um saco de plástico na cabeça. O rapaz terá simulado um sequestro para encobrir o assassinato.

-MARIA DUARTE
36 anos
Abatida a tiro ontem pelo ex-companheiro, em Santarém.


Blog "UM OLHAR SOBRE O MUNDO"

Etiquetas: ,

Como surge a DOR, como surge a FADIGA

CANTAR O NATAL


CICLO DE CONCERTOS que o Pelouro da Cultura promove, desde há quatro anos, e que decorre, maioritariamente, em igrejas, na perspectiva de se anunciar a tradição dos Cantares do Ciclo Natalício.
Os espectáculos são preenchidos por Grupos Corais e Grupos Folclóricos e Etnográficos da Região de Coimbra e, este ano, pela primeira vez, com a presença de um Grupo de Fados.
Apresentam-se repertórios que incidem em cânticos populares da tradição natalícia cristã, entoados nos dias antecedentes ao Natal, durante as Missas, na quadra natalícia, ou aquando das visitas aos presépios; cânticos de louvor e adoração ao menino Jesus, alusivos à visita dos pastores ou cantados durante a cerimónia do beijar do menino.

Igreja Stº Antóniodos Olivais (sábado - 21 h)
Igreja do Carmo (sexta - 21h)

ISABEL CARVALHO

Efemerides - 27 de Novembro



DESCRIÇÃO Passagem do cometa Halley em 1985; fundação da Guarda; assassinato de Harvey Milk; Margaret Thatcher deixa a liderança do Partido Conservador inglês; a invenção dos fósforos de fricção; Anders Celsius; Bruce Lee; Alexander Dubcek; os Beatles e "I am the walrus".

Etiquetas:

MABECOS, MACACOS, LAGARTIXAS E OUTRAS AVEZINHAS...

O espírito do marmelo-pensador está povoado de uma fauna que ele não domina.
Com toda a sua biblioteca,com todo o seu currículo,com toda a sua investigação,com todas as prebendas(públicas e privadas) a que tem direito,tem provado que tem miolos de esferovite.
Quando confrontado,de forma séria,ele já não sabe se é cão ou se é macaco!
Transforma-se numa ridícula lagartixa.
Vai dando ao rabo,mas deve ser para se enxotar a si próprio.
Para estes animaizinhos e variantes anómalas,vamos pagando.
Um dia,veremos um círculo a virar de quadrado para trapézio.


Dirão que é do aquecimento global?

RUI LUCAS

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Petição

A pedido do Zé Ferrão, e porque entende que poderá haver interesse por parte de muitos Cavalinhos/as, publico o seguinte:


Caros Amigos

O Manifesto Anti-Silêncio na Câmara de Coimbra mais não foi do que uma iniciativa cívica, tomada como reacção à decisão de proibir os profissionais da comunicação social de assistirem às reuniões da Câmara.Foi um documento elaborado duma forma espontânea e dado a conhecer através de uma rede de amigos.
Surpreendentemente suscitou uma adesão que ultrapassou em muito as minhas expectativas e que tem motivado contactos telefónicos e sugestões diversas.
Como se compreende não me é possível continuar a receber manifestações de adesão para um documento com a natureza deste e como tal dei por encerrada a sua subscrição ficando com a configuração que anexo.
Irei agora remetê-lo ao presidente da Câmara e Vereadores, bem como ao presidente da Assembleia Municipal para conhecimento e a ponderação que entendam por bem fazer.

Senti, contudo, uma enorme vontade de participação de diversos cidadãos no sentido de alterar uma situação politicamente condenável, por diversas razões, e por isso elaborei uma Petição que está, desde agora, disponível para ser subscrita na net, e que tem como objectivo levar à revogação da decisão em causa.
Peço a todos que a assinem se concordarem com ela, obviamente, e que dela dêem o mais amplo conhecimento. Seria importante conseguir um mobilização significativa, não com o intuito de derrotar politicamente quem quer que seja mas de valorizar a vida democrática na nossa Cidade e de fazer sentir que hoje, mais do que nunca, a transparência é um valor de que os cidadãos de Coimbra não prescindem.
De igual modo é uma Petição a favor duma comunicação social livre, sem peias e sem manipulação.

Podem ler e subscrever a Petição em:
http://www.peticao.com.pt/comunicacao-social-cmc
Divulguem.

Etiquetas: , ,

Justiça à Chinesa...

Justiça rapida e capitalista.

Numa loja chinesa em Lagos

As nossas Janelas


Contaram-se a seguinte história como verdadeira.
Numa cidade portuguesa, alguém queria abrir uma janela numa determinda fachada situada numa zona histórica.
Quando pensou pedir autorização camarária para o efeito, pois não queria ter qualquer problema legal com a obra, alguém o aconselhou a não o fazer nesse momento, pois seria liminarmente chumbada tal pretensão.
"Primeiro faça a obra" - disse-lhe esse alguém, acrescentando - "Disso, trata-se depois."
Assim fez. Abriu a janela num fim de semana e, na segunda-feira, parecia que ela sempre ali havia estado.
"Agora sim, podemos pedir autorização para... tapar a janela!" disse-lhe o amigo perante a sua incredulidade.
E assim fizeram: pediram autorização camarária para fechar a janela.
Passados uns meses, que estas coisas oficiais levam sempre o seu tempo, chegou a resposta camarária: O pedido para fechar/entaipar a janela fora liminarmente recusado, devido.... e seguia-se uma extensa enumeração de motivos e de artigos legais.
E assim se tornou legal uma janela ilegalmente aberta.
Será verdade? Vivendo em Portugal e conhecendo a sua realidade, sou levado a crer que sim.
Das http://historiasesabores.blogspot.com

Trajes das Tricanas de Coimbra

Dando uma volta pelos blogues amigos, lá encontramos um assunto bem interessante para ser divulgado.
Quer queiramos ou não temos aqui muitos descendentes das belas tricanas de Coimbra.
Uma da figuras mais conhecidas da Cidade de Coimbra, cantada pelos estudantes, a Tricana fez do xaile a sua peça de luxo, usando-o sobre os ombros ou traçado sob o braço direito.
Os xailes preferidos eram os que reproduziam em tapete decorativos orientais, denominados «xailes chineses».


Veste saia preta de lã, com fitas de veludo; saia de baixo branca, com tira bordada; avental de popelina, blusa de “tubralco”; caixiné; xaile chinês a tiracolo; chinelos pretos.




http://trajesdeportugal.blogspot.com/





Etiquetas:

O Peregrino...

Um peregrino a caminho de Fátima pernoita na casa duma viúva.
A meio da noite ela vai ter com ele toda nua! Ele, com medo de pecar, foge e vai confessar-se.
O padre diz-lhe que vá para casa e que coma 5 kg de favas.
- Sr. Padre, eu não sou um cavalo!
- Mas és burro! Primeiro comias a viúva, e depois é que te confessavas...!!!

MdS

Etiquetas: ,

NÃO VENDO


NA PUBLICIDADE A IMAGINAÇÃO NÃO TÊM LIMITES.

Etiquetas: ,

E ESTA???

A Publicidade dos nossos tempos de meninice tinha destas coisas. Até os Médicos davam bons exemplos de bem fumar. Hoje apesar de muitos médicos fumarem, seria impensável um anuncio destes.

Etiquetas: ,

Nuestros hermanos é que sabem....

Etiquetas: ,

Efemerides - 26 de Novembro



DESCRIÇÃO Construção do gueto de Varsóvia; as cheias de Lisboa de 1967; acordos de Argel para a independência de S. Tomé e Príncipe; último voo do Concorde; atentados em Mumbai; Ferdinand de Saussure; Eugène Ionesco; Charles Schulz; Fausto Bordalo Dias; Mário Cesariny; "As time goes by", do filme Casablanca.

Etiquetas:

Pensamento do mês.....

Pensamento do Mês de Novembro !





"A maioria dos políticos portugueses são católicos praticantes. . .
. . . nunca assinam nada sem terem um terço na mão."




Lena Parreiral

Etiquetas: ,

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

NEL NEVES - Faz Hoje 64 Anos


Mª MANUEL NEVES
( Nel )

25 de NOVEMBRO
1945




64 Anos
O Blog do Cavalinho Selvagem,
deseja-lhe muitos parabéns, muitas felicidades e muitos anos de vida.

Etiquetas: ,

NOTICIA TRISTE - Faleceu o Dr.Joaquim Isabelinha


Recebemos uma mensagem a informar que tinha falecido o Dr. Isabelinha.
A Academica estará de luto pelo seu socio nº 1, antigo atleta da Academica e que o ano passado tinha sido homenageado pelo seu 100º aniversario no CNEMA em Santarem.

Etiquetas: ,

OMO LAVA MAIS BRANCO

Agora dava jeito para tirar umas nódos que aparecem por aí.

Etiquetas: ,

Boas noticias - O melhor Centro de Saude

No Publico

Ri-Ri

Etiquetas:

E o Bobbyze entrevistou BRIAN MAY


A primeira vez que entrevistei o guitarrista da banda, BRIAN MAY,foi em Estrasburgo.Em backstage pude apreciar, umas horas antes do concerto, a camaradagem que reinava nos QUEEN!
Eles nunca foram uma banda como qualquer outra!Havia ali uma quimica muito particular que os unia e que se ressentia nos àlbuns extraordinàrios que lançaram!
Tenho fotos de poses loucas que o FREDDY MERCURY tanto apreciava!
Tal como a Nela, foi uma enorme surprêsa naquela altura a origem da morte dele!

Love of my life, you hurt me,
You broken my heart, now you leave me.

Love of my life cant you see,
Bring it back bring it back,
Dont take it away from me,
Because you dont know what it means to me.

Love of my life dont leave me,
Youve stolen my love now desert me,

Love of my life cant you see,
Bring it back bring it back,
Dont take it away from me,
Because you dont know what it means to me.

You will remember when this is blown over,
And everythings all by the way,
When I grow older,
I will be there by your side,
To remind how I still love you
I still love you.

Hurry back hurry back,
Dont take it away from me,
Because you dont know what it means to me.

Bobbyze

Etiquetas:

FESTA "GRECO - KAMUK"


Após dois mailes, pedindo a divulgação do encontro "GRECO - KAMUK" que se deverá realizar dia 3O de Janeiro do próximo ano e porque somos na maioria "CAVALINHOS", achei por bem fazê-lo através do "CAVALINHO SELVAGEM" que tem estado na vanguarda da divulgação de todas as rotas gastronómicas já efectuadas.
Após leitura da lista dos já inscritos, apercebi-me que , esta festa ,para gaúdio de todos nós, irá abarcar outros amigos que não apenas, os dos referênciados agrupamentos.
Assim, como Sócia do Greco, para o qual contribui com toda a minha alegria e afecto, convido os "AMIGOS CAVALINHOS" que connosco brincaram e passearam na Rua A , do Bairro Marechal Carmona sob as lindas e quentes noites de Verão e os que posteriormente tivemos o privilégio de conhecer e que estejam interessados, a contactarem a respectiva COMISSÃO, através do BLOGUE para o efeito criado.


Vossa amiga de sempre
NelaCurado

Etiquetas:

EM PALCO - PRODIGIOSA FIGURA


Morreu em Londres, aos 45 anos, a 24 de Novembro de 1991.

Nascido a 5 de Setembro de 1946, na Ilha de Zanzibar, chegou a Londres em 1964. Ali estudou design gráfico - o famoso logótipo dos QUEEN é obra sua - antes de se voltar novamente para a música.
Na India fora pianista e vocalista de bandas de liceu. Em Inglaterra passou pelos Ibex ou pelos Smile, rebaptizados Queen em 197O.
A exuberância de MERCURY e o seu gosto pela opulência sinfónica fez dele, primeiro, um dos nomes maiores do glam: Mais tarde, já com o longo cabelo cortado e com o icónico bigode sobre o lábio, levou-os ao palco maior: a ideia de cocerto de estádio, esse espaço grandioso que manobrava na perfeição, tornou-se sinónimo da banda que nos anos de 198O, se transformou em imparável máquina de exitos.
Ícon idolatrado sem reservas, era descrito como extremamente tímido.
Raramente deu entrevistas: tudo o que interessava saber dele estava no palco e nos discos.

J.P.

BEIRA BAIXA

RIBEIRA DO TRIPEIRO
Percorro, serenamente, este vale de solidão. Deitada sobre um manto de silêncio, adormeço, embalada num clamor de paz ...
QUITO
(foto e texto, dedicados aos meus amigos, Ana Maria Sousa e Henrique Sousa)

CORES SIMBÓLICAS

Muita gente deve ter pocurado a razão porque cada faculdade usa a sua cor e porque usa essa cor. Vamos nós satisfazer essa curiosidade, transcrevendo do livro "Aplausos Académicos da Universidade de Coimbra", a El-Rei N.S. D.João IV., Coimbra, 1641.

"Terça-feira à tarde primeiro de Janeiro deste presente ano de 641 ouve Prestito de Capelo, e indo os Doutores, com insígnias Doutorais.
Os Teólogos com capelos, e borlas brancas, Hieroglífico da pureza, e virtude que devem guardar os professores desta ciência.
Os Canonistas com capelos e borlas verdes, significação da Castidade, de que devem ser observantes os que estudam para governar a Igreja.
Os Legistas com capelos, e borlas vermelhas, símbolo da Justiça de que devem observar os que hão-de governar a República.
Os Médicos, com capelos e borlas amarelas, significação da Caridade, que devem ter os que curam doentes.
Os Filósofos, com capelos e borlas azuis, figura do Céu e do Ar, sua ocupação principal".

O PONNEY
Junho- 1953

Etiquetas:

Do Bau - O Sabonete LUX com a Jane Fonda

Etiquetas: ,

PRAXE ACADEMICA - “CARTOLA E BENGALA”

A cartola e a Bengala são adereços que são usados pelos estudantes que estão no último ano do curso, a partir do dia do cortejo da Queima das Fitas até ao último dia dos festejos. Podem ser usados vários anos, desde que o estudante não acabe o curso e se mantenha no último ano (se mudar de curso, perde o direito de os usar).
Foi com o curso do V ano médico de 1931-1932, o curso do
Dr. Henrique Pereira da Mota (o Pantaleão, que participa na história do placard da entrada), o curso dos cocos, que se iniciou esta tradição na Queima das Fitas.
Pela Praxe, os cartolados podem trazer apenas batina, cujas bandas
devem ser de cetim da cor da respectiva faculdade e as abas arredondadas dobrando e pregando as duas extremidades inferiores, dando um aspecto de fraque.
A Cartola é de cartão, das cores do curso, ou, caso o cartolado seja veterano, pode ser preta com uma tira ou fita das cores do curso; ou das cores do curso com uma fita preta.
O laço e a roseta são das cores do curso; o laço também pode ser preto, mas não é usual, e a roseta usa-se na lapela do lado esquerdo da batina, podendo também ser substituído por uma flor natural.
A bengala é das cores do curso (fórmula mais usual), embora possa ser da cor natural da madeira ou, no caso dos veteranos, de cor preta.
Os cartolados costumam seguir a pé no cortejo da Queima das Fitas, normalmente à frente de um carro alegórico do seu curso (embora possam seguir, no cortejo, onde quiserem).

No fundo,
a Cartola e a Bengala, fazem parte dos festejos da Queima das fitas e, tal como ela, representam a tristeza do adeus a Coimbra.
“Todas as cerimónias da Queima das Fitas, têm o seu quê de exéquias. São as fitas que se passam, acto simbólico em que está uma desistência – ávida despreocupada – o abandono de muita coisa: tudo o que Coimbra representa para a idade com que lá passamos –
É o cortejo dos carros alegóricos, na verdade um adeus à cidade que nos acarinhou e que vem agora toda para a rua corresponder a esse adeus. É a cidade engalanada à beira dos passeios e pelas janelas lançando flores sobre os que, dentro em pouco, hão-de partir. São todos num gesto de quem agita lenços de despedida. Além daquelas, todas as cerimónias em que se desdobra a Queima das Fitas soam funebremente no nosso coração. O que se pretende é a euforia provocada pela exaltação. Estudante mais bêbedo é o estudante mais triste, é aquele a quem mais custa deixar Coimbra, aquele que acreditou que podia ser toda a vida rapaz e que só havia uma estação: a Primavera de Coimbra.”

António Rodrigues Lopes, “A sociedade tradicional Académica Coimbrã”
do Brandalius nos TTIS

Etiquetas: , ,

9 em cada 10 Cavalinhas usavam LUX... digo eu :-)

Vamos ao Bau - Ainda se lembra destes Cartões?

Nos anos 60 compravamos na Dona Rosa estes cartões para fazer uns tostõezitos.
Cada casinha era $50 ( cinco tostões ).
Era um vicio.

Etiquetas:

Bau das Coisas - estes recortes eram mais das meninas

Etiquetas:

Efemerides - 25 de Novembro



DESCRIÇÃO Golpe de 25 de Novembro de 1975 em Portugal; golpe da ala militar dura na Grécia depõe Papadopoulos; Karl Benz; Eça de Queirós; Catarina de Bragança; Yukio Mishima; "Rudolph, the red nose reindeer".

Etiquetas:

Ode aos Queixinhas que Não o São

As pessoas, de uma forma geral, detestam ver os outros doentes. Não porque a doença faz o outro sentir-se mal, mas porque eles agora vão ter menos atenção que esses que estão doentes. E então perante uma queixa, a resposta é logo “oh isso não é nada!” Mas é!
É o nariz entupido, ou a cabeça a doer e custa! Custa a dormir, custa a comer, a respirar, a pensar até. Por isso, não digam que não é nada porque é.
Ai, dói-me o corpo. “oh isso não é nada, é só uma gripe”. Então afinal é alguma coisa! É uma gripe! E uma gripe merece uma queixa e merece que alguém nos diga que nos pode fazer um chá e cuidar de nós nesses dias mais duros. Mas não, agora é moda desvalorizar, dizer que não custa nada, que não dói assim tanto, que só quer é mimo. E então?
Mimo por acaso é mau, não podemos querer?

Eu quero poder queixar-me à vontade quando sinto alguma coisa mal. Se me dói a perna eu quero dizer que me dói a perna, sem que me respondam “oh isso não é nada.” Eu não quero que opinem sobre o que é a dor! Eu só quero que saibam que me dói a perna e que vivam comigo esse momento de dor ou dorzinha.. também o que é que interessa?
Eu não quero é ter de medir as palavras só porque me vão dizer que o que tenho não é nada. Ainda por cima, porque sei que é alguma coisa. Se dói, dói. E se dói é alguma coisa.
Deixem-me queixar à vontade, deixem-me partilhar o nariz ranhoso, o arranhão no dedo, a afta na língua. Eu também partilho todas as outras coisas boas, e essas ninguém diz, ah isso não é nada.

Hoje ardem-me os olhos, espirro de 5 em 5 minutos, tenho o nariz com o pingo e sinto que posso estar a ficar constipada, ou então é só uma alergia a qualquer coisa. Não interessa.
Ai.. quero um chazinho. E tenho aqui uma nódoa negra na perna. É grande. Mas já não dói. Doía ontem. Já passou.


Piccola Maria

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Passatempo para acalmar

EHEHEHEHEHEHEH

Tenta cercar o gato.É muito curioso !

Não o deixem escapar !!!

Vá clicando nos círculos mais claros, eles ficarão mais escuros.
O objectivo é cercar o gato; Não deixá-lo sair das bolinhas.
Para começar, clique no desenho abaixo.

Boa sorte mas muita percepção!
Uma boa maneira de fazer o cérebro funcionar E PREVENIR ALZHEIMER ...

cid:DEBA94434AA94E4DB145177D61F40EAC@rafa

Etiquetas:

Em Viagem


O Serviço Ocasional tem duas vertentes.
Uma para conversar, outra para fixar imagens do percurso.
Um Abraço.
Tonito.

A Dinamica dos Blogues


Com toda esta dinâmica que surgiu no Bairro após o aparecimento do Cavalinho Selvagem e com o Grande Encontro de Gerações, foram surgindo varios movimentos que conseguiram agrupar interesses dos cavalinhos e afins espalhados por tantas paragens.
Criaram-se vários blogues.Foi o caso do Blogue do Bairro Marechal Carmona, o da Rua C e o dos Boatos.
Isto permitiu que antigos vizinhos e antigos colegas de liceu em Coimbra, apos 40 anos se viessem a cumprimentar e a dizerem ola, uns aos outros. Era esquisito, mas era assim....não se falavam nem cumprimentavam.
Foi bonito de se ver esta aproximação entre residentes e vizinhos que agora se juntam aos fins de semana no Samambaia velho reduto Apache dos tempos idos, numa fase pos Abrigo.
É bonito de se ver, que de quando em quando, se realizam umas almoçaradas a proposito de qualquer coisa para estarem juntos.
Fazem-se almoços em Coimbra, em Lisboa, na Maia, em Quiaios, em Penacova, em Braga...etc.
Fazem-se almoços nas casas de uns e de outros. fazem-se juras de amor e de amizades.
Repetiu-se o Grande Encontro em Penela, com uma organização esmerada e que merece tornar-se um icon da reunião anual dos Cavalinhos.
Em Lisboa os almoços ja são considerados os almoços do Lau.
Mais um grande encontro de um grupo do bairro , está ja a tomar corpo.
Os antigos elementos que frequentavam o Greco estão a preparar um encontro com almoço para os fins de Janeiro.
Vai de certeza ser um êxito, não desmerecendo a dinâmica que este tipo de eventos tem tido nas gentes do Bairro.
A exemplo do 2º Encontro de Gerações - Rota do Cabrito de Sicó ao criarem um blogue para tal, tambem os antigos frequentadores do Greco criaram o blogue Greco.Kamuk para as inscrições do almoço de Janeiro e para reabilitarem blogues anteriores.
Com outra dinâmica e com outro entusiasmo, tambem o Pedro Flaviano criou o seu blogue do Casal do Trovão.
Vale a pena visita-los e participarem neles.

Etiquetas:

"EX-LIBRIS" DE COIMBRA

PUBLICIDADE EM 1956



















NelaCurado

Etiquetas: ,

RECORDAÇÕES

Gostei muito de rever o nosso Teatro Avenida.
Na altura,vivia numa rua atrás que se chamava Oriental de Montarroio(posteriormente António de Vasconcelos) e,durante a infantil,estudava no Colégio Português (acima do Teatro Avenida).
O Pedro Mendes de Abreu, meu amigo de infância,vivia na Ocidental de Montarroio(posteriormente Saragoça) e costumávamos ir juntos para o Colégio.
Desde cedo,no Avenida fui apaparicado pelo sr.Manuel e D.Irene e tinha direito a ver todos os filmes!
De camarote!
Mais tarde, pisei o palco:com o CITAC e com o Coro Misto.
Também não perdia os festivais de cinema e de teatro.
No formato actual,parece que aquilo vai ser transformado em discoteca.
Aqui vai uma fotografia do exterior do Teatro Avenida,ao tempo do coro do Alexandre Herculano.

RUI LUCAS

Etiquetas: ,

A BATALHA DO NORTE

Nunca nos anais da História de Portugal, os nossos bravos guerreiros foram de luxuosa camioneta fosse para onde fosse. Mas nós fomos.
Organizados na táctica do Quadrado, que tão bons resultados deu em Aljubarrota, pelos menos assim nos contaram, eis que um grupo de vinte combatentes partiu em desfilada em direcção ao Norte, num dia chuvoso e com cara de poucos amigos. Nada que incomodasse os patriotas, que, repimpados nos seus assentos reclináveis ao som de música de antanho, lá passaram a ponte Rainha Santa. Quilómetro após quilómetro, chegaram a Antuã, onde a dupla Alfredo e Daysi os esperavam. Às costas traziam a viola, na esperança de que com doces baladas conseguissem adormecer o inimigo. Passada a Ponte do Freixo, virámos para Braga e mais curva menos curva, chegámos ao campo de batalha, que o mesmo é dizer, tínhamos que nos confrontar com uma feijoada nortenha. E foi aos gritos de “morra quem se negue” que saímos da camioneta em turbilhão. O Henrique, dono da casa, vestido a preceito, foi-nos mandando entrar. Fomos olhando meio apardalados com o que víamos. Mesas irrepreensivelmente postas, muitos doces e salgados…e um silêncio preocupante. O inimigo, mais esperto, tinha-nos feito cair na esparrela. Uma armadilha de menção honrosa como diz o Tonito. E de repente tudo explodiu numa dança de luz e cor. De minhota vestida, a dona da casa apareceu a bailar, ao som de uma concertina tocada sabiamente por um habitante de terras de Viana do Castelo. Ficámos literalmente encostados às cordas. A Ana rodopiava leve como o vento, o suor a cair-lhe em bagas cara abaixo, pagando o preço da generosidade com que, juntamente com o Henrique, recebiam os amigos. Dali a estarem todos com os pés debaixo da mesa foi um ápice. As travessas aterravam na mesa a velocidade meteórica, mas os de Coimbra resistiram bem. Comeram e beberam à tripa forra e o resultado com as hostes de Santo Tirso só podia ser um: empate técnico.
Depois recomeçou a música. Os de Coimbra pretenderam deslumbrar. De barrete de Pai Natal na cabeça, cantaram uma doce canção de natal, muito própria para infantários e lares da terceira idade. Depois o alcaide Alfredo Moreirinhas, jogou os seus trunfos. De viola na mão, cantou e encantou. Como o barco estava e desequilibrar em favor das hostes da Lusa-Atenas, os de Viana do Castelo vieram em socorro dos de Santo Tirso e tudo voltou à normalidade. Entretanto o antagonista, que sabia que a canção de Coimbra canta e encanta, trouxeram reforços, que, com a bela voz do Henrique a comandar, fizeram daquele instante um momento mágico…
Até que pelo adiantado da hora a refrega terminou. Não sem que os de Santo Tirso não apresentassem novos argumentos. Anas Marias, avó e neta, cantaram um fado. A Mariana, nos seus quatro anitos, recitou e foi alvo de muitas fotografias e palmas. De novo a pequena Ana Maria, ao som de violino brindou-nos com uma canção de Natal, em despedida
Com abraços e lenços a acenar partimos...
- Adeus, Mariana…
- Adeus, Alfredo…
Rendeu-se o guerrilheiro comovido, seguido por todos os outros…
E foi mais um empate técnico. Também em amizade…
Quito

Etiquetas:

Referer.org