<

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

NAVIO ESCOLA SAGRES

DIA 8 DE FEVEREIRO

COMEMORAÇÃO DOS 5O ANOS DO VELEIRO MAIS BONITO DO MUNDO!


24DEZ2010 - 339º Dia - Chegada!

Continuámos a nossa navegação aos soluços, ora suportando vento forte ondulação alterosa que nos atrasavam, ora aproveitando, cada brisa, cada abrigo e usando todas as velas para recuperar das perdas. O mau tempo fazia parar o navio e desesperar quem olhava para a hora prevista de chegada que a Carta Electrónica indicava (Março, Abril, Fevereiro...).

No dia 16 encostámos à costa da Sicília para navegar abrigados da ondulação e na contra-corrente, ganhando barlavento para a travessia do Canal da Sicília em direcção à costa Africana. As previsões indicavam para aquela costa ventos mais fracos e a urografia daria mais abrigo do mar e da corrente que os ventos fortes dos últimos dias tornaram quase intransponível. As correntes contrárias atingiam mais de três nós e estavam a condicionar muito a nossa chegada. Quando nos pareceu que já tínhamos ganho barlavento suficiente para virar e atingir num só bordo o Cabo Bon, iniciámos a travessia que se revelou mais fácil do que perspectivávamos. Fomos navegando ao longo da costa da Tunísia e depois da Argélia com terra à vista e bom sinal de rede móvel para os contactos com a família. A velocidade era boa e já estávamos bem mais animados com as previsões de chegada a colocarem-se a 23 de manhã.

O pior foi quando, a meio da tarde de dia 17, o vento cresceu em muito pouco tempo de uns bons 25 nós na amura de bombordo para 50 na proa. Era a passagem de uma frente muito activa que trouxe também aguaceiros fortes. O mar passou de cerca de 1 metro para ondas de 5 metros. A nossa velocidade, que andava pelos 9 nós, caiu para 1. Fomos lentamente recuperando, navegando a uma média de 3 nós durante 12 horas e depois a cerca de 6 nós. Perdemos muito tempo e o ânimo voltou a baixar até porque a forte corrente da entrada do Mar de Alboran nos tirava 3 nós à velocidade de superfície. Mais uma vez optámos pelo caminho mais longo e fomos contornar a costa de onde nos tínhamos afastado devido ao vento forte que nos obrigou a arribar. E ao final do dia de Domingo já estávamos acima da média a fazer 10 e 11 nós com uma corrente mínima que só voltou a manifestar-se quando tivemos que nos fazer à boca do Estreito de Gibraltar.

É interessante o regime de correntes no Estreito pois a água à superfície corre para leste a fim de compensar a elevada evaporação do Mediterrâneo e a fuga de água mais salgada em profundidade para o Atlântico.

Passámos a linha imaginária entre Ceuta e a Ponta Europa, em Gibraltar, cerca das 22:00 de dia 21. Fizemos uma gincana por entre o denso tráfego do Estreito, um pouco dificultada porque vínhamos de sul. Às 23:00, a aproximar de tarifa, caiu sobre nós um aguaceiro com uma tremenda trovoada que veio acompanhado por ventos que fecharam e chegaram aos 67 nós (124 km/h). O navio adornou e foi mais lento a arribar do que o vento a fechar. A bujarrona de dentro bateu e desfez-se em farrapos. Saímos do Esquema de Separação de Tráfego para manter as restantes velas cheias e carregámos o estai do velacho e o estai da gávea ficando o pessoal todo encharcado!

De dia para dia vinham aumentando os contactos para confirmação da nossa hora de chegada mas com tantas adversidades era muito difícil dar uma resposta de confiança. Nesta altura já tínhamos desistido da chegada a 23 de manhã e estávamos a apostar na tarde, o que implicava uma média de 7 nós.

A bordo havia uma sensação mista de alguma ansiedade com as dúvidas relativas à chegada e pela proximidade de rever os familiares e amigos. Já se vivia uma certa satisfação pelo sentimento do dever cumprido. A dureza desta última etapa vem de certa forma mostrar a fibra da guarnição que contribuiu com o melhor de si, com muito esforço e dedicação para uma bem sucedida missão. Todos trabalhavam com afinco! Nunca vimos mudar uma vela ou mudar o óleo do motor tão rápido! As condições de trabalho eram horríveis, não se conseguia descansar em condições, e o ânimo estava elevadíssimo!

À uma da manhã de dia 22, já a navegar no Atlântico e com ventos de "apenas" 30 nós, voltámos a caçar as duas velas de estai para estabilizar o navio que já sentia a ondulação a crescer. E cresceu, cresceu, até que começámos a levar autenticas chapadas de mar e a nossa velocidade caiu para os 5 nós. E assim fomos, com saltos, inclinações, acelerações e desacelerações, tudo muito brusco e por vezes regado por fortes aguaceiros, até deixar por estibordo o Cabo Trafalgar e os bancos Trafalgar e del Hoyo. Com este mar os baixos ficam mais perigosos devido ao encurtar das ondas que se tornam mais agressivas. Passados estes baixos, às 5 da manhã, pudemos finalmente arribar e, com menos esforço, o motor imprimiu mais velocidade ao navio e a esperança voltou à ponte. Tem sido sempre assim ao longo dos últimos 12 dias, alternando frequentemente entre a convicção e a esperança de chegar a 23 e o desalento de parecer impossível quando somos fustigados pelo mau tempo e pelas fortes correntes. Mas as notícias que vamos recebendo são também de tempestades em terra e de aeroportos fechados.

Contra as previsões, fomos conseguindo progredir a boa velocidade na travessia do Golfo de Cádiz e, sabendo que a depressão cavada que nos está a afectar se ia deslocar para NW e provocar um forte temporal de NW nas próximas horas, tentámos adiantar-nos. Íamos caçar mais pano mas desistimos quando vimos a gávea baixa a começar a abrir uma costura.

Ainda assim estávamos dentro da velocidade necessária para chegar a 23 antes do anoitecer. O vento forte e mar alteroso não nos permitiram aproar directamente ao Cabo de São Vicente e aproveitámos para ganhar algum abrigo do mar que ia lentamente rodando para NW. Atingimos a costa do Algarve cerca das 18:00 de dia 22, junto a Vilamoura, e depois avançámos sem pano em direcção ao Cabo mas o vento e a ondulação não paravam de subir e sabíamos que pioraria na costa oeste. A vontade de chegar ajudava-nos a aguentar as difíceis condições que estavam a começar a atingir proporções a evitar. Ao sul do Burgau, com 50 nós de vento e ondas enormes, procurámos no AIS navios que já tivessem passado para o outro lado para lhes perguntarmos as condições de mar e vento que estavam a enfrentar. Não foi preciso fazer perguntas pois o equipamento mostrava-nos navios de 200 metros a progredir a apenas 2 e 4 nós! Seria insensato continuar! E assim, com muita pena, colocámos o mar na popa e fomos para o abrigo da Ponta da Piedade, frente a Lagos. Eram duas da manhã!

Apontávamos agora para a chegada no dia 24 de manhã, o que ainda nos obrigaria a suportar a fase final desta tempestade. Às 11:00 estávamos de novo a passar o Cabo com uns "calmos" 30 nós de vento de NNW e ondas de 5 metros. Primeiro muito lentamente e depois a ganhar velocidade à medida que vento e mar caíam, passámos Sines às 23:00 e entrámos na Barra do Tejo às 6 da manhã!

Entre-torres, a linha que une o Forte do Bugio ao de São Julião da Barra marca a entrada no Porto de Lisboa.

Terminou aqui o período mais stressante da nossa viagem - inacreditavelmente passámos safos às tempestades permanentes do Cabo Horn e aos tufões do Pacífico para sofrer nos nossos conhecidos Atlântico e Mediterrâneo. Não esquecemos também os dias terríveis ao largo do Brasil onde se perdeu o Concórdia e depois junto à península Valdêz já a meio da costa da Argentina. Apesar do stress causado pelo mau tempo e da indefinição da hora de chegada, os muitos que deixaram de fumar ou iniciaram dietas rigorosas resistiram à forte tentação de prevaricar! Trazemos menos fumadores que à largada e menos peso de carga humana! É de referir que uma das qualidades que um veleiro desenvolve nas pessoas é a capacidade de lidar com o imprevisto, própria de quem depende do mar e do vento para cumprir os seus objectivos. E esta capacidade foi posta à prova vezes sem conta ao longo das últimas duas semanas de mar!

Às 09:00, em Algés, entraram os primeiros jornalistas convidados para noticiar a nossa chegada. Depois foi o Almirante Comandante Naval e o Almirante Chefe do Estado Maior da Armada. Vieram receber o navio e falar à sua guarnição.

À nossa volta juntavam-se embarcações de recreio com amigos e admiradores que, apesar de ser véspera de Natal, vieram dar-nos o testemunho do seu reconhecimento pela missão que agora termina. Nas margens juntavam-se pessoas a acenar e nós íamos tendo finalmente a verdadeira noção do impacto que a viagem tinha tido. Um impacto de que não estávamos certos.

O Almirante CEMA desembarcou após falar à guarnição e aos jornalistas, junto ao Terreiro do Paço, e nós seguimos para a Base Naval onde alguns milhares de pessoas nos aguardavam para um beijo ou um abraço.

Trazíamos apenas pano latino devido ao fraco vento que estava. A bandeira nacional era a maior de todas e a flâmula, seguindo a tradição antiga, era de um comprimento descomunal, 19 metros, 9 correspondentes a 6 meses de missão, mais dois por cada mês até ao fim. Ao atracar, carregámos o pano de tacada e despachámos a faina para que os nossos familiares se pudessem aproximar. Eram centenas, entre familiares, amigos e admiradores da barca.

Volta à faina!

Fim da Missão!

Missão Cumprida!

Uma sensação de alívio e orgulho apodera-se de nós, uma certa emoção...

Mas há um peso na consciência que nos assola desde a barra. É que não nos foi possível agradecer pessoalmente aos amigos e aos anónimos que, em véspera de Natal, dedicaram a sua manhã a glorificar a Sagres, a sua missão e os seus marinheiros! A todos, um abraço de agradecimento reconhecido e as nossas desculpas por não o termos feito pessoalmente em virtude das inúmeras solicitações que tivemos.

Na verdade foram as inúmeras mensagens que fomos recebendo dos que iam acompanhando a nossa viagem através destas crónicas ou do contacto directo nos portos, que nos foram mostrando a nós e aos nossos familiares que esta viagem valia a pena e incentivando a fazer cada vez melhor!

Até breve!

Pedro Proença Mendes, Cte do NRP "Sagres"

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Powered by Blogger

-->

Referer.org