<

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

ALDEIAS DE PORTUGAL



Estava morto. A vida tinha sido madrasta e nada parecia correr bem. Tudo o que desejava não tinha, tudo o que tinha eu julgava não ter desejado. Ele afirmou em tribunal que foi sem querer, que era inocente. Mas eu estava morto. Não foi uma bala, nem tão pouco uma paulada, foi sim um gesto tão rígido que peito algum poderia suportar. Eu tinha dado tudo por ele, por aquele amigo que julgamos ser idóneo, perfeito, ideal, o amigo que vai connosco à guerra, que tem os mesmos ideais, que luta com armas da verdade e da humanidade. Mas não, era apenas um clone fabricado na ásia, tão fraco que nada tinha de autêncito, um fantoche social que se julgava importante, que aproveitou as luzes da ribalta tal e qual boneca de máquina de feira. Aprendi que era a vida, que amigos não são ilusões, são verdade, mas que as ilusões existem e são tão reais quanto os amigos de verdade, e esses não dizem ou escrevem que nós somos bons, esses fazem sentir-nos bons, elevam-nos, protegem-nos e nunca nos abandonam. Paguei um preço alto ao sair da minha aldeia com os mesmos valores de sempre, mas recebi um valor ainda maior no regresso, pois sei que em cada pedra da minha aldeia existe mais verdade do que em cem cidades de qualquer parte do mundo. Ouvi um sociólogo, daqueles que falam na tv e até são importantes, dizer, no outro dia, que na aldeia existem fofoquices e que nas cidades é que é bom. Sim, é verdade, concordo em absoluto. Nas aldeias quando erramos as pessoas sabem e fazem questão de o comunicar, na aldeia quando roubamos somos excluídos, na aldeia quando traímos jamais seremos confiáveis, na aldeia quando a casa arde na igreja toca o sino e todos correm em socorro. Na cidade ninguém fala de ninguém, independentemente do tamanho do roubo, do desfalque, da traição ou do incêndio. Na aldeia o importante é saber que estão todos bem, na cidade o que importa é estar bem.

Foto: Blueiceangel Texto: Paulo Costa

Etiquetas:

1 Comentários:

Blogger José M Valente disse...

O tema é-me muito grato; tenho escrito muito sobre a pureza da vida nas nossas aldeias e cada vez vejo mais pessoas a fazê-lo. Gosto deste texto publicado aqui no vosso blog.Os meus cumprimentos

12:50 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Powered by Blogger

-->

Referer.org