<

sábado, 31 de agosto de 2013

COIMBRA



SANTA CLARA

O Convento de Santa Clara, que se ergue, já enegrecido, da banda de lá do Mondego, inspira-me sempre um recolhimento especial: ás tardes, depois das aulas, e enviados alguns vintens pela rodela do palratorio, chegam fôfos e quentes os pasteis, que as freiras fabricam e vendem. É curioso que o unico contacto, que eu conheço, que elas têem com o mundo profano, é o dinheiro, que tenho ouvido dizer que é o vil metal, meio forjado no inferno! Mas, comidos os pasteis, que são sempre pagos adiantadamente, fico-me a contemplar a cidade, cá do alto, e de lá vejo a minha casa, na rua da Trindade; lá em baixo passa o comboio, e pela estrada de Lisboa lá vão os carros de bois, carregados, a gemer a sua toada monotona e triste. (…) São horas de ir até á baixa; os companheiros de casa ficaram a jogar o bilhar no Montanha; desço a rampa ingreme que conduz á ponte. Ha tricanas que, aos ranchos, vão, descalças, ajoujadas com cestos á cabeça, estrada fóra, andando ás vezes leguas e leguas. Passam, olho-as em enlevo: são vivas, trabalham, produzem, amam e rezam. Nelas é que vejo a beleza da Vida, á qual volto com alegria, para esquecer as sepultadas de Santa Clara. Coimbra -

Maio - 1905.
Herlander Ribeiro; 1936: 17/19

Etiquetas:

2 Comentários:

Blogger Manuela Curado disse...

Homens puramente enlevados...já não os há... mulheres com as caraterísticas, então desejadas...já foram...e até os pasteis de Santa Clara já estão desvirtuados!!!

6:56 da tarde  
Blogger Titá disse...

Mas ainda são bem bons, Nela! E os homens e as mulheres de agora olha são diferentes. Uns "comestíveis" outros nem tanto. Mas que seria a vida sem esta diversidade?
Não conhecia o texto mas gostei.

10:52 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Powered by Blogger

-->

Referer.org