<

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

UM BOM ANO! - E, acima de tudo, boas entradas!

Tenho recebido os vossos mail’s e impressionam-me aqueles com as fotos das vossas iniciativas. Muita gente, mas que não consigo identificar, lamentavelmente.
Aproveito para vos enviar um blogue que fui construindo. De pessoal apenas os textos e contextos que lá se encontram.
A vida vai dando voltas e para o doutoramento que preparei tive de consultar muita coisa que resolvi partilhar. Depois fui continuando e por cá anda também neste mundo virtual: http://sociologias-com.blogspot.com/
Deixo-vos um concerto que vou revisitando e que seguramente vos agradará: Pink Floyd Live
José Marques dos Santos
mais conhecido por Ze Carlos Canelas

Etiquetas:

Os nossos KISSES

Uma foto do Liceu D.Joã III

Aqui se podem ver o Chaves e o Pedro Sousa Dias. Deve ser de uma turma do 6º ou 7º ano.
Notam-se ali o Batarda e o Cro da Figueira da Foz.

Etiquetas:

Na MOURA MORTA o Cepo continua ate aos Reis

O Natal já passou agora temos à porta a Passagem de Ano.
Para marcar essa data alguns mouramortinos resolveram fazer novamente um Cepo na Eira da Vinha e visto ser tempo de convívio e alegria, não faltará música e animação além das febras e da pinga.
O Cepo da Passagem de Ano vai ter mais lenha do que o do Natal, pois para esta, lá vieram 3 tractores de cepos.
Para tanta lenha é porque o vinho deve ser fraquito.

Fuja da solidão vivendo intensamente


São cada vez mais os idosos que vivem sós. E é natural que a solidão afecte muitas destas pessoas .
Mas não tem que ser assim. Para viver feliz em qualquer idade, o mais importante é nunca cair em situações de isolamento social. Falar com outras pessoas, fazer exercício e interessar-se pelo mundo podem ser as mais simples e melhores formas de combater a solidão.
Viver só pode ser uma experiência difícil, especialmente nos casos em que a situação se deve a uma morte ou a um divórcio. E as férias e quadras festivas parecem mesmo aumentar os sentimentos de solidão e angústia.
Mas viver só não significa obrigatoriamente ser solitário. Há muita coisa que se pode fazer para reencontrar a felicidade e aprender a viver melhor.
Um primeiro e importante passo é manter-se activo.
Pode ser tão simples como passar mais algum tempo com a família, encontrar-se com os vizinhos no café, colaborar e participar em grupos da internet como os blogs ou chats ou envolver-se em actividades de clubes e associações próximas do local de residência.
Inscrever-se num ginásio ou associar-se a um grupo para praticar exercício físico pode igualmente ser uma boa resposta ao drama da solidão. O exercício físico é fundamental para uma saúde melhor, ajudando a estimular o apetite e a regular o sono. Para além disto, pode também representar uma boa oportunidade para conviver com outras pessoas, contribuindo assim para manter o gosto pela vida.
Existem também outras soluções para a manutenção da actividade física e social. Uma delas passa, por exemplo, por ir buscar os netos à escola. Uma outra, de que as crianças também certamente gostarão, pode ser um animal de companhia.
Os animais de companhia são normalmente um contributo importante para a actividade física. Na verdade, os possuidores de animais de companhia podem tender para apresentar um risco mais reduzido de contracção de doenças cardiovasculares em virtude de serem normalmente levados a fazer mais exercício do que as outras pessoas.

PODE ACONTECER...

31 de Dezembro. Hoje sinto-me como um velho cão rafeiro, quando busca desesperadamente comida num caixote do lixo qualquer. Aquilo que os outros não querem, a ele chega-lhe
(podia usar a metáfora de um ser humano, sem abrigo, mas dói-me a alma só de pensar nisso.)
porque já nada espera. Mexe, com fúria por vezes, esperando encontrar no meio de tantos detritos algo de bom que lhe traga a salvação. Por mais um dia. Pode acontecer...
O meu caixote do lixo chama-se ... memória. Ao contrário do cão, fui eu que lá guardei o que já passou e que um dia posso querer voltar a usar, redentoramente. Sou o autor das minhas (des)ilusões, dos meus próprios dejectos. As memórias, as minhas memórias,
(alguém pode ser dono das suas memórias?)
com o tempo perdem nitidez, fogem-me do alcance, tornam-se puros fragmentos de um eu estilhaçado. Não que se tenham necessariamente extinto, talvez antes porque desaprendi de as ir reavivar regularmente, pela ordem natural que já existiu e que o tempo interior desconstruiu. Ou porque o tempo as estragou, tornando-as em restos contaminados que só me fazem mal quando me reapodero delas. Ou ainda porque deixei de as reconhecer como minhas,
(poderemos alguma vez ser donos das nossas memórias?)
ou ainda porque o meu outro as quer simplesmente esconder do outro eu.
E depois, mesmo que os poços da memória não se tenham ainda esgotado, mesmo que baste apenas um fim de tarde de um qualquer dia último do ano para me reapossar do passado, para quê recordar? Recordar é
(quantas vezes!?)
algo morrer de novo dentro de nós. Ou sofrer. E se alguém vem procurar ensinar-nos o caminho de volta das recordações
(lembras-te quando ...?)
quantas vezes não rosnamos em vez de sorrirmos? Não as queremos agora para nós mas, possessivos, também não aceitamos que no las roubem, mesmo quando a memória da memória nos insinua tratar-se apenas de deformações de um passado irreal.

Mas... Pode acontecer... que remexendo bem no fundo encontremos uma palavra aqui,
(amor)
outra acolá,
(solidão)
ou mesmo uma curta frase
(Serra do Gerês)
que remete para os sonhos realmente vividos.
Aventurando-nos na colagem de fragmentos de frases,
(Era madrugada alta quando nos conhecemos. Uma parte apenas, ainda. Timidamente, aproximamo-nos lentamente. Primeiro através do olhar, depois o cheiro, o tacto por fim. Aceitámos a loucura, reinventámos Baudelaire e voámos em direcção ao mar à procura de conhecer o todo que faltava, os sabores. Ao longe o uivo dos pinheiros forçava o entrelaçar dos corpos na noite escura, nós fingindo o medo (ou o frio?) que não tínhamos. Através do estar queríamos o ser. Mas, no entanto, ainda não era o tempo das vindimas e deixámos que a água salgada, nos consumisse o ardente desejo e os corpos não acompanhassem o ritmar crescente das ondas. Nas bocas ficou o amargo da espuma interrompida de eros. Amanhã talvez, quem sabe, a tempestade reapossar-se-á dos nossos corpos desejantes, numa erupção impossível de conter nem com toda a água do mundo, fundindo-nos num novo ser único, nós. Hoje, porém, o mar serenou(-nos)-se! )
aventurando-nos na desfragmentação do nosso interior, com sorte podemos criar sentidos. Pode acontecer...
31 de Dezembro. Amanhã é um velho dia novo, que conhecemos bem das memórias adulteradas do passado. Não procurarei nele novos começos. Com o passar inexorável do nosso tempo, enquanto esperamos que anoiteça definitivamente, já não recordamos o que vivemos. Vivemos com o que recordamos.
Recordar é correr o risco do engano. Estarei preparado para isso? Ou, é isso que quero mesmo?
Amanhã vou ver o mar...
Poderei aí então gritar, como o poeta morto no outro 11de Setembro,
(mas a quem isto interessa?)
confesso que vivi?
Vale a pena tentar!

Jó-Jó

Etiquetas:

Os filhos e a saida de casa..

O artigo exposto pela Isabel Carvalho sobre os filhos pareceu-me estar muito na ordem do dia não só em Portugal como em todo o mundo Ocidental, assim como os comentários me parecem objectivos.
Tendo saído do Bairro aos 17 anos e casado aos 31, aparte a situação cultural-sócio-económica já apresentada, eu penso que se se fôr ver pelo lado prático, se encontram algumas respostas fáceis com um ponto de humor para não tormar pesado um assunto sério.
Não sendo lei, não me esqueço que para um homem, a Mãe é quase sempre uma parte do fundo do seu Ser, mesmo antes de ter começado a dizer Mãmãã. As filhas muitas vezes estão mais viradas para os Pais.
Assim quando se sai de casa ela e ele actuam de forma diferente, o que na prática conta muito. Isto actualizado para os dias de hoje na malta nova, pois a vida e sua velocidade também são diferentes, será mais ou menos o seguinte:
Ela se lhe aparecer uma situação inesperada até é capaz de lavar umas peças de roupa.
Ela na mesma situação até é capaz de depois a passar a ferro como deve ser.
Ele, a Mãmãã é de longe muito superior a uma lavandaria a sêco.
Ela até é capaz de pregar um botão.
Ele, a Mãmãã é a melhor costureira que jamais se viu.
Ela faz qualquer coisita para levar e comer.
Ele, a Mãmãã faz-lhe merendas excepcionais.
Ela até prepara umas refeições deliciosas.
Ele, o pai foi um homem cheio de sorte porque ainda tem uma mulher à antiga que é a melhor cozinheira do mundo. A Mãmãã é extraordinária.
Há também a notar que em certos países o avanço na liberdade da mulher é uma realidade. A mulher finalmente tem já numa certa medida uma igualdade real, se bem que esteja responsável e saiba que ainda vai ter que continuar a lutar por algum tempo.
Assim inverteram-se certos procedimentos em relação ao nosso tempo. Em certos países os encontros de uma noite quando não de uma hora, para se fazer uma ideia do que pode vir a ser o princípio do namoro para uma futura reunião feliz e responsável, como me foi explicado, é uma realidade. Só, que como disse uma Senadora que eu ouvi "a mulher hoje quer um homem Rosa de dia e macho à noite" (sic) (penso que a Senadora queria dizer certas mulheres) o que ao acordar no dia seguinte não acontece e assim com umas boas botas de inverno bem calçadas, se abre a porta da rua para ele sair. Passados uns tempos vinha o pedido de subsistência familiar de um filho que ele não tinha desejado, ou mesmo falado(*), com o problema de usar todos os métodos legais para dificultar ao máximo ao pai, a visita ao filho. Por esse motivo, essa lei foi alterada para responsabilidade mutua no caso do Canada pois a prática ultrapassava o fundamento da mesma, com o apoio responsável de grupos de mulheres visto que hoje muitas mulheres também já são auto-suficientes além de outros vectores que não são relacionados com o assunto que é exposto.
Ora vendo a estabilidade de vida levada pelos pais e o que se estava a passar na sociedade de hoje, o jovem homem tornou-se tímido, receoso e não pertencendo a nenhum "sindicato" entrou em "greve" mesmo sem dar conta, por receio do que viesse a acontecer.
Em certos casos já se verificava a estadia dos mesmos, numa certa percentagem, na companhia quase sempre de um do progenitores mesmo além do tempo de reforma, o que só com o tempo a nova lei vai ajudar a alterar um pouco pois ela não é remédio para tudo. O homem tem que voltar a ter confiança no sistema. Não há mais razão para ser um menino rei que foi contrariado pelo desenvolvimento feminino, que fica psicológicamente afectado e não sabe como reagir.
Isto tudo vai trazer ou já traz problemas de ordem social enormes como a diminuição do número de crianças, fecho de escolas, criação enorme de centros para terceira idade. Dentro de 15 a 20 anos falta massiva de mão obra que por sua vez vai originar falta de colecta de impostos com a respectivao aumento de outros tipos de impostos que ninguém gosta, originando a falta de satisfação das populações referente aos meios que a democracia lhes põe à disposição como saúde, ensino, etc, etc. É claro que mesmo com algum atraso, o Ser humano reage sempre e assim as situações vão encontrando um equilíbrio. Por isso penso que de forma diferente mas real, podemos ver com muita esperença o futuro dos nossos descendentes de forma positiva.
E assim aqui ficou a minha perspectiva prática e com um pouco de humor do problema referido no artigo.
(*) O exemplo máximo passou-se com o ex-primeiro ministro do Canada, Pierre Elliot Trudeau, que ao repatriar a constituição de Inglaterra para o Canada (independência na sua plenitude física ou política), integrou-lhe a secção das «Liberdades e direitos individuais do cidadão». Isto veio a dar a liberdade a todos os oprimidos aonde estavam incluídas a mulheres. Ora as mulheres gostavam tanto dele que até para entar no Parlamento, a única vez que o fez sem ir a fugir foi quando entrou morto para a exposição do corpo presente (isto é verdade). Em vida, uma advogada que queria ter um filho de um homem inteligente, num encontro de uma noite arranjou-lhe uma miúda. Se bem que os momentos iniciais não tenham sido fáceis, mas como ambos acabaram por ver a situação de forma objectiva pois já foi ele a ter que lutar pela igualdade, o que nessa altura era muito difícil, a miúda foi criada de uma forma equilibrada pelos dois.
Nota : Em certos sítios aonde se lê mulheres, leia-se: certas mulheres. – Aonde se lê homens, leia-se: certos homens.
Não esperando voltar novamente ainda este ano ao vosso Meio, despeço-me desejando que 2009 seja o melhor ano de sempre para toda a minha Malta (como ao longo destes 40 anos tenho sempre insinuado em silêncio), assim como para todos os Cavalinhos e Cavalinhas.
Bem hajam.
Chico Torreira no Canada

Etiquetas:

O Meu Lord

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

EDIÇÃO DE FIM DE ANO

Como vem sendo hábito, a revista TIME elege
todos o anos uma "PERSONALIDADE DO ANO".
Confesso que não foi, para mim, nenhuma surpresa
ver a foto do Velho Apache, na capa da TIME.

É, sem dúvida nenhuma, merecedor deste galardão!
Interessante é também verificar que o juri da TIME,
não se esqueceu da importância que este Apache
teve no sucesso do GEG.

Os meus Parabéns pela tão importante eleição.

Produção e Edição: Alfredo Moreirinhas

Etiquetas: , ,

Os artistas....

Mas que olhos......

PENELA - A Tradição do Presepio

Presépio de Penela 2007 . O ano passado foi assim.
Este ano é melhor.


CONVERSA DE TRETA

REDUNDÂNCIAS

Há dias um amigo meu confidenciou-me que estava a fazer planos para o futuro. Por uma questão de feitio, custa-me apontar erros de ortografia, defeitos de linguagem ou de redacção. Não há necessidade de envergonhar ou humilhar o nosso interlocutor. Mas não deixei de pensar como seria possível esse meu amigo fazer planos para o passado...Vem isto a propósito de há uns dias se ter falado no blog de pleonasmos ou como bem observou o Mário Pinheiro de Almeida, de redundâncias.Para além daquelas que na altura foram referidas como exemplos, dei comigo a reflectir sobre outras que no dia a dia são utilizadas e que, mesmo não sendo erros crassos, não deixam de ser redundâncias escusadas.

Quem não ouve falar diariamente na TV da criação de novos empregos? Alguém poderia criar alguma coisa que fosse velha? Mas a vida é assim.. Temos que nos suportar, temos que conviver juntos. Como se fosse possível conviver separadamente... Releio o que escrevi e fico com um sorriso nos lábios. Que raio, onde havia de ser o sorriso? Na barriga?

O melhor é parar por aqui, sair e olhar as estrelas no céu. Bem é só no céu que elas existem, não é? Então porque não hei-de simplesmente dizer que vou ver as estrelas?Depois vou sentar-me à lareira. Gosto de ficar a ver os movimentos das labaredas de fogo que a madeira expele. No verão, hei-de experimentar a ver se dali sairão labaredas de água...

Conversa de treta esta... Estou aqui só a prender-me a pequenos detalhes... Como se houvesse detalhes grandes...

Imagino-vos a encararem-me de frente cansados já deste palavreado. Sim porque se me querem encarar não o conseguirão fazer de costas, não é verdade? Antes de jantar, sentado no sofá, vou desfolhar o Atlas Universal. Gosto de localizar geograficamente todos os Países do Mundo. Lá caí noutra! Sei muito bem que os Países só existem no mundo...

E esta verdade já me tinha sido dita há dias pela viúva do falecido...


Rui Felício

30-12-2008

Etiquetas:

O Simpsons sao geniais.

You're all losers


Realmente os Simpsons sao geniais. Fiquei a pensar se a historia nao se esta a repetir.
E se nao estaremos a precisar de outro martelo...

Valerá a pena ser Global?

Enquanto assistimos à transformação do mundo numa grande aldeia global, vemos cada vez mais o agrupamento de pessoas em tribos, grupos que valorizam essencialmente os valores locais. Falo de uma tendência que começámos a assistir há já algum tempo mas que agora assume uma dimensão cada vez mais importante. Enquanto há alguns anos a nossa identidade social (local) foi gradualmente substituída pelo "ser global", é a vez de agora assistirmos ao chamado back to basics - pessoas que valorizam cada vez mais a sua cidade, o seu bairro, o que é produzido na sua terra... não sei se já ouviram falar da iniciativa italiana Zero km em Itália (ajuda aos agricultores locais e btw uma grande ajuda ao ambiente)?? Ou o projecto agro do Intermarché??
Quando analisamos este panorama, as marcas nacionais podem ver aqui uma grande oportunidade de crescimento, para não falar que com a crise mundial podemos aproveitar o sentimento de insatisfação com a economia global e canalizá-lo para melhorar a nossa economia...

Continuo a valorizar o agrupamento das pessoas em tribos como o fizemos no inicio dos anos 60, com os Apaches......... e não esqueci o que o Bininho Reis e tambem o Rui Pato aqui propuseram na fase inicial do Blogue em relação aos nossos descendentes.
Alvaro Apache

RECORDAR


FOZ DO LISANDRO

Desde que andei na tropa em Mafra que não ia à Foz do Lisandro. Fui lá no domingo de manhã, aproveitando o sol que espreitou por entre as nuvens. Está linda a praia...Enchi a mão com um punhado de areia branca, finíssima e deixei-a escorrer por entre os dedos, lentamente...Fixei os olhos nas ondas à minha frente, absorvi o cheiro a maresia, deixei que o vento me revolteasse o cabelo...

O que via e o que sentia levava-me o pensamento para muitos, muitos anos atrás...

Foi naquela areia que numa noite quente de Agosto, deambulei de mãos entrelaçadas com a Anne Marie, francesa de Lille, que passava férias na Ericeira com uma amiga.Tínhamos estado, como em noites anteriores, na discoteca Ouriço que ainda hoje existe, mas decidimos, a certa altura, sair e passear pela praia.O relógio lembrava-me a obrigação de me apresentar no quartel de Mafra, a uns 15 Kms, antes de bater a uma hora da manhã. O tempo era pouco, e muito o desejo de ficarmos juntos...

A vida nunca foi fácil... Nesse longínquo Agosto, porque o tempo me condicionava a vontade. Neste domingo, com tempo de sobra, porque faltava a Anne Marie...


Rui Felício

30-12-2008

Etiquetas:

Natal do presépio


Na sua estrutura todo Homem inclui o conteúdo prodigioso do acontecimento - NATAL.Natal do presépio,manifestação de Fé e ternura,própria do Cristianismo, iniciado por S.Francico de Assis que fez o primeiro presépio da fraternidade, que devemos àquele menino nascido há dois mil anos,em Belém.
Natal da Árvore de Natal - símbolo da vida que não perece,já que permanecendo verde representa a amizade e a alegria de nos doarmos a nós mesmos e aos outros. Árvore de Natal,introduzida em Portugal por D. Fernando,príncipe alemão, casado com D.ª Maria II,que trazendo a tradição a sua terra,mandou colocar pela primeira vez, uma árvore de Natal no Palácio da Pena em Sintra,enfeitada com bolinhas de vidro,produzidas na Fábrica do Vidro da Marinha Grande.
NATAL ritual evocativo.Advento de caminhos de memórias e de esquecimento.Natal da festa, da casa e da rua, e também de amargura mal dissimulada.Natal de enigma, que atravessa avenidas e nos dá tanta vez madrugadas de lágrimas.
Mas o NATAL verdadeiro é feito de sensibilidade e distanciado de coisas fabricadas que se compram com dinheiro e se oferecem com laços coloridos.
Eu tive o meu presente especial.O mais doce ...eu digo, pois já sabem da minha história...o Dr.António Palhoto bateu à minha porta e deixou uma surpresa. Quando vi...fiquei sem palavras,emoldurada a fotografia da mãe,a Sr.ªD.ª Manuela Pamplona Palhoto,linda com o seu sorriso belo e terno que me comoveu...emudeci,depois encostei a fotografia ao meu coração que bateu mais forte e chorei com um misto de saudade, de maravilha, de gratidão...foi o mais belo presente de Natal!
Mas,é invocando o NATAL,a fraternidde e a paz que dele dimanam, que venho desejar a todos um BOM ANO e sendo a vida um acto nunca acabado de existir, e para que se não cristalize em rotina,o importante é que constantemente se espiritualize,porque viver é SER.
Voemos sem idade,hesitantes ou não,e façamos de cada momento um recomeçar.Quando a ciência nos dá relações quantitativas e de medida, a vida anímica não é apenas isso e o Homem é o ser mais espantoso e profundo,cada um com a sua diferença e originalidade.
Que o Novo Ano traga a todos a semente do sonho e a deposite no vosso horizonte interior.
Para todos o meu respeito intelectual,existencial e metodológico.Só com todos vós o Blog ganha dimensão.
Com o Blog também eu revi pessoas,reatei amizades,uns que conheço profundamente,outros que vieram de novo e assim repito a frase do profeta: "..e a solidão germinou num lírio..."
Se eu fosse poeta inventava palavras para vos chamar de AMIGOS,porque vos creio na serenidade e como diz o poema..." na serenidade mais livre que uma ave em seu voo...mais branda que a brancura do papel em que escrevo... do que o sol nas searas...vem serenidade para perto de mim..."
Nela Dias

Etiquetas:

Tweetree – a árvore do Twitter

Seguindo uma dica do Historiador do Instante, um blog duma jornalista coimbrinhas, acabo de descobrir mais um utilitário ligado ao serviço de microblogging Twitter.
Surge agora uma nova ferramenta, a de ver em “forma de árvore” todas as ligações que fazemos com os nossos followers. Entram no nosso campo visual e página pessoal do Twitter todos os conteúdos externos que são feitos na nossa rede através do twitpic, friendfeed, youtube, Flickr, bem como as links directas que são colocadas nos tweets que são trocados.
Esta maneira simples de estarmos ocorrentes de todos os movimentos feitos entre os nossos followers e followings é a forma cómoda de ver tudo em tempo real,
sem ter que andar a clicar de conta em conta. Numa análise assim meio a frio, parece-me que pode ser uma ferramenta interessante de explorar; tem a vantagem de facilitar o conhecimento rápido do que se passa na nossa twitter’social network mas também numa contrária perspectiva, pode torna-se aborrecida por ser fácil demais saber tudo, matando o “bichinho” da curiosidade de clicar insanemente em busca da dica do amigo do amigo que tem um amigo que tweet’ou uma coisa qualquer.

Birds in a tree in http://tweetree.com/

Etiquetas:

JOSE RODRIGUES - Afinal faz 57 Anos


Jose Mel Ramos Rodrigues

30 Dezembro

1951






57 Anos
O Blog do Cavalinho Selvagem,
deseja-lhe muitos parabéns, muitas felicidades e muitos anos de vida.

Etiquetas: ,

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

NÚMERO ESPECIAL DO JORNAL DE LETRAS

Foi com enorme satisfação que verificamos que mais um CAVALINHO foi distinguido com um Prémio.
Todo o Jornal de Letras é dedicado a esta personagem, que tem deliciado meio mundo, com os seus contos, no Blog. Ao ler a reportagem, ficámos a saber que a votação para atribuição do Prémio, foi unânime.
Alfredo Moreirinhas

Etiquetas: ,

Volta ao Mundo

Com tantas musicas divulgadas e ouvidas pelos cavalinhos , rendi-me a esta ultima para a epoca natalicia de 2008.
É só clicar e ouvir

A aldeia do Talasnal e o Restaurante da " Ti Lena"

Não podiamos deixar de pikar o blog do Pedro Sarmento Escrever aos 50 sobre o talasnal quando andamos aqui de volta para marcar mais uma Rota Gastronomica.Na aldeia do TALASNAL, nessa bela Serra da Lousã, um restaurante de cozinha regional, o "Ti Lena", propriedade da simpàtica Lisete Dias, acaba de receber honrosos elogios no mais reputado Guia Turistico Francês, o "Guide du Routard"! CHanfana, Cabrito Assado, Bacalhau Assado são algumas das especialidades da casa! Claro e a simpatia que jorra por tudo quanto é lado, desde logo quando ainda a uns 2 quilómetros de distância se pode disfrutar duma vista como esta. Uma Aldeia de Xisto no meia do verde fantástico, ou do branco quando a Neve visita a aldeia.
Hoje visitámos a Aldeia num encontro de amigos que teve como Honroso Conviva um homem que vive longe de todos nós, mas que apesar disso e da vida mais ou menos agitada que leva, com gosto diga-se, não se esquece de nós e de Coimbra. Obrigado Bobbizé por teres simpatizado comigo e com os meus rabiscos deste blog, foi um prazer conhecer-te pessoalmente.
Uma foto à entrada da Aldeia, ruas estreitas, tudo em pedra de xisto, candeeiros bonitos e rústicos espalhados por ruas e ruelas, escadas e escadinhas.


Na porta do Ti Lena com uma vista deslumbrante para a serra com a Lousã ao fundo que mal se vê. 9 Kilometros separam a Aldeia da Vila da Lousã.






Dentro do restaurante uma Lareira à antiga. Embora não estivesse muito frio, estava-se bem ali à lareira enquanto o repasto se aprontava.

José Oliveira acredito que é o Português que mais gente da música conhece, ao longo de uma carreira já vasta de muitos anos e muitas entrevistas a gente do Show Music. Assim que me lembre, James Brown, Frank Zappa, Scorpions, Status Quo, Robert Plant, Peter Gabriel, Phill Collins, Deep Purple, Brian Auger, Joe Cocker, Pink Floyd, Who, Santana, Status


Quo,
Manfred Mann, Joan Baez só para relembrar alguns nomes que consegui assim de repente p
or na escrita, duma vasta lista de personagens que o
Como homem ligado à música, teve de nos presentear com uns acordes, e olhem que não se saiu nada mal.Uma Viela já ao final de tarde no Talasmal.

Publicada por Pedro Sarmento em Escrever aos 50 a 12/29/2008 12:21:00 AM

Etiquetas:

O Verme

Existe uma flor que encerra
Celeste orvalho e perfume.
Plantou-a em fecunda terra
Mão benéfica de um nume.

Um verme asqueroso e feio,
Gerado em lodo mortal,
Busca esta flor virginal
E vai dormir-lhe no seio.

Morde, sangra, rasga e mina,
Suga-lhe a vida e o alento;
A flor o cálix inclina;
As folhas, leva-as o vento,

Depois, nem resta o perfume
Nos ares da solidão...
Esta flor é o coração,
Aquele verme o ciúme.

Machado de Assis

Referer.org